Palácio de Belém

O núcleo principal do Palácio de Belém, datado do século XVI, foi mandado construir por um importante fidalgo, D. Manuel de Portugal, em terrenos pertencentes aos monges Jerónimos.

Em 1726, a propriedade foi adquirida pelo Rei D. João V para quinta de veraneio, permanecendo na posse da família real até 1908, altura em que passa a ser tutelado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, que o utiliza para acolher chefes de Estado em visita a Portugal.

Após 1910, o Palácio torna-se sede da instituição presidencial, acumulando, pouco depois, a função de Residência Oficial do Presidente da República.

Em exposição:

Piso 1 — sala oval

  • Uma maqueta a três dimensões reproduz o conjunto monumental do Palácio, anexos e jardins, apresentando os vários módulos construtivos, desde o corpo principal, datado do século XVI, até ao Centro de Documentação e Informação, do princípio do século XXI, da autoria do arquiteto Carrilho da Graça.
  • Suportes informáticos interativos disponibilizam informação histórica, arquitetónica e patrimonial sobre cada um dos espaços, nomeadamente sobre a ala protocolar do Palácio, capela e jardins.
  • O documentário «Do Palácio de Belém» apresenta um retrato das vivências da residência oficial do Presidente da República Portuguesa.
  • Exposição de documentação e de várias peças das coleções do Palácio de Belém (ourivesaria, escultura, pintura, porcelana, tapeçaria e mobiliário).

Multimédia

Percorra a galeria carregando nas imagens para ampliá-las e ler as respetivas legendas.

Maqueta a três dimensões do Palácio de Belém, patente no núcleo dedicado à residência oficial do Presidente da República. Fotograma do «tablet» com aplicação informativa do Palácio de Belém. Obras de arte, pertencentes ao acervo do Palácio de Belém, expostas no núcleo dedicado à residência oficial do Presidente da República.